Aumentar tamanho das letras Diminuir tamanho das letras Versão para impressão Voltar Página inicial

 Notícias

26/03/2013

Em nota, Sindiagua critica descaso do Governo do Estado com saneamento público e alerta para possível privatização

Na última sexta-feira (22/03), a dieção do Sindiagua publicou anúncio em caderno especial do jornal O Povo alusivo ao Dia da Água, com uma nota onde critica a falta de investimentos do Governo do Estado no saneamento público. O texto faz um alerta para um possível projeto de privatização que pode estar em curso na Cagece.

Confira o texto na íntegra:

SECA E FALTA D’ÁGUA, RACIONAMENTO, COBRANÇAS TARIFÁRIAS ERRADAS, PRAIAS E LAGOAS POLUÍDAS, OBRAS ATRASADAS, FALTA DE TRABALHADORES...
ATÉ ONDE VAI O DESCASO COM O SANEAMENTO?

O Governo do Estado do Ceará vem tratando com descaso o serviço de abastecimento de água e esgoto no Ceará. A imprensa local tem noticiado a situação crítica em que vivem moradores de várias cidades do interior e de diversos bairros de Fortaleza que enfrentam grave escassez no fornecimento de água. São milhares de pessoas que têm tido sistematicamente negado o direito essencial de acesso à água. O problema chega ao cúmulo de atingir e  interromper os serviços de hospitais e escolas, num claro desrespeito à dignidade humana.  A seca no Ceará - que colocou o Estado sob a ameaça de racionamento e 178 cidades em situação de emergência - torna o descaso com o abastecimento d'água ainda mais grave. O problema já não atinge somente a área rural, mas também as sedes dos municípios e há cidades onde a Cagece não tem sequer um funcionário próprio de carreira. Em Fortaleza, a falta de planejamento e de ações preventivas e o atraso nas obras têm deixado bairros desabastecidos, onde vivem cerca de 500 mil moradores, muitos em situação desumana, tendo que perder noites de sono para coletar a pouca água que chega durante a madrugada. Para piorar, os erros abusivos nas cobranças tarifárias têm revoltado a população.
Além do desabastecimento, os baixos índices de esgotamento sanitário têm afetado nossas lagoas, praias e rios (poluídos por falta de uma rede de esgoto eficiente) e a saúde da população (Fortaleza é a quinta capital com maior número de internações provocadas por saneamento inadequado). Nos últimos quatro anos, a cobertura de esgoto cresceu irrisórios 2,28% em Fortaleza. Se mantido esse ritmo, será necessário esperar mais 80 anos para universalizar o saneamento.
Há ainda um grave descompromisso do Governo do Estado com a própria Cagece. O Governo vem mantendo uma política de terceirização ilegal, que causa prejuízos à Cagece e deixa os serviços de saneamento nas mãos de um rodízio de profissionais que trabalham em condições de trabalho precarizadas, colocando em risco a qualidade da nossa água, o serviço de esgotamento e a saúde da população. Como se não bastassem todos os problemas relativos à política de saneamento no Estado, o nome da Cagece apareceu recentemente envolvido em escândalo de corrupção e fraudes em licitações que vieram a público a partir da operação Águas Claras, desencadeada pelo Ministério Público de São Paulo.
Nova tentativa de privatização?
Diante deste cenário, o Sindiagua tem alertado à sociedade e aos trabalhadores sobre o risco de um possível projeto de privatização da Cagece. O descaso com o saneamento lembra as antigas e conhecidas estratégias dos governos neoliberais: provocar o sucateamento do serviço público para justificar uma possível privatização. O Sindiagua - uma das primeiras entidades sindicais do País a se insurgir contra as ameaças de privatizações da água que assolaram o Brasil e a América Latina no período neoliberal - teve acesso a boletins de empresas do Rio de Janeiro ligadas ao ramo de venda de ações que afirmavam que o Governo do Estado estaria se preparando para vender 51% das ações da Companhia. Para isso, o Governador estaria fechando uma PPP (parceria público-privada) que seria uma espécie de “test drive” para privatizar a Cagece.
A água, bem público cada vez mais escasso no planeta - fundamental para a saúde e segurança alimentar da população - não pode jamais cair nas mãos de grupos econômicos privados. A história de luta do Sindiagua contra a privatização comprova a capacidade dos trabalhadores de se mobilizarem e lutarem contra qualquer tentativa de privatização da água em nosso Estado. Erradicar a miséria, melhorar a qualidade de vida da população e construir cidades socialmente justas passa pelo acesso universal ao saneamento público de qualidade. Respeito ao trabalhador, ao cearense e ao saneamento público já!
 

Aumentar tamanho das letras Diminuir tamanho das letras Versão para impressão Página inicial Voltar


Sindiagua - Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Ceará
Rua Solón Pinheiro, 745, Centro • Fortaleza/CE • CEP 60.050-040  |  Fone: (85) 3254-4097
www.igenio.com.br