Greve dos trabalhadores do SAAE de Russas suspensa temporariamente. Após ato de protesto, prefeitura garante não aceitar novo modelo de concessão da Cagece.

17

Os trabalhadores do SAAE de Russas suspenderam temporariamente a greve iniciada desde o dia 19 de junho. Em reunião com a categoria, na última terça (26/05), o prefeito de Russas assinou documento, dando a garantia de que não aceitará o modelo de concessão do serviço de saneamento que está em estudo na Cagece. O novo modelo poderá retirar os trabalhadores dos SAAEs de Russas, Fortim e Itapipoca – que diariamente cuidam do serviço de saneamento na cidade – para levá-los para outra área da gestão municipal, reduzindo ainda mais o quadro funcional do setor de saneamento no Estado. Segundo Jadson Sarto, a Cagece quer se livrar dos trabalhadores e “empurrá-los para a prefeitura”, sem diálogo com a categoria e sem mensurar que impacto isso pode gerar na folha salarial do município. Para ele, caso a prefeitura assuma os salários dos trabalhadores do SAAE, poderá haver demissões.
Além disso, o serviço de abastecimento de água e esgoto, que hoje é executado por trabalhadores profissionais treinados, poderá ficar nas mãos de pessoas sem experiência e conhecimento técnico, pondo em risco as demandas do saneamento da cidade.
A garantia dada pelo prefeito motivou a suspensão temporária da greve, mas a categoria ainda aguarda uma solução para os atrasos no pagamento dos reajustes salariais e benefícios conquistados no Acordo Coletivo de Trabalho.  Há oito meses a categoria está sem receber salários reajustados, gratificações e plano de saúde.  O questionamento da Procuradoria Jurídica da Cagece ao contrato de concessão com a prefeitura de Russas (contrato este que foi assinado pela empresa) tem sido usado como desculpa para tentar justificar os atrasos. A Cagece decidiu rever o contrato atual (que ainda está em vigor), mas, para isso, simplesmente decidiu suspender os repasses dos pagamentos, num claro desrespeito aos trabalhadores, suas famílias e à população de Russas.
Várias promessas mentirosas de garantias de solução já foram dadas pela empresa (inclusive por membros da diretoria), no entanto, a Cagece insiste em descumprir o contrato firmado com a prefeitura e a lei municipal que trata do Acordo Coletivo de Trabalho. A lei foi aprovada pela Câmara dos Vereadores e sancionada pelo Prefeito da Cidade.  A Cagece, com essa postura ilegal e injusta, está violando o direito à remuneração e à saúde dos trabalhadores e de suas famílias que estão sendo gravemente prejudicadas.
Uma reunião dos trabalhadores com a Procuradoria Geral do Estado está marcada para o dia 04 de julho, às 11h.

Protesto
Na última segunda (25/06), a categoria promoveu, juntamente com a direção do Sindiagua, um ato de protesto na cidade. Mais de 100 pessoas (entre trabalhadores, familiares e representantes de movimentos sindicais) realizaram uma carreata pelas ruas da cidade com destino à sede da Câmara Municipal, onde lotaram as galerias da Casa, que estava em sessão ordinária. Jadson Sarto, presidente do Sindiagua, utilizou a tribuna da Casa para reivindicar apoio dos parlamentares. Todos os vereadores se comprometeram em ajudar a categoria e se manifestaram contra o modelo de concessão do serviço de saneamento que está em estudo na Cagece. Segundo Jadson, a mobilização foi fundamental para alertar à população sobre os riscos impostos pela Cagece ao setor de saneamento da cidade.