Sindiagua se reúne com presidente da Cagece e cobra respostas a demandas da categoria. Vale-cultura, privatização, plano odontológico e terceirização foram alguns dos assuntos discutidos.

25

A direção do Sindiagua se reuniu, no dia 16/10, com o presidente da Cagece, Neurisângelo Freitas, para obter retorno de demandas da categoria que se encontram travadas. A reunião foi acertada com comissão da Cagece logo após a última reunião da MENP, quando alguns assuntos discutidos não tiveram resposta satisfatória dos representantes da empresa. Temas como Vale-cultura, privatização e licitação de empresas terceirizadas foram debatidos. Confira abaixo e no verso deste informativo um resumo dos pontos discutidos com os membros da Menp e com o presidente da Companhia.

Vale-cultura começará a ser pago em novembro
A licitação para contratar a emrpesa fornecedora do Vale Cultura foi concluída no dia 05/10 e a empresa vencedora foi a Sodexo. Os trâmites do contrato estão em andamento. A direção do Sindiagua cobrou um prazo definitivo para implantação do benefício e o presidente da Companhia afirmou que em 30 dias o Vale estaria sendo concedido.
Foi esclarecido que o benefício será destinado aos colaboradores que ganham o equivalente a até cinco salários mínimos e que o recebimento está vinculado a uma adesão por parte do trabalhador, uma vez que será descontada uma parte do valor (10%) na folha de pagamento, conforme lei. Nesta semana a Gepes encaminhará o formulário de adesão às unidades.

Sindiagua critica terceirização de fiscalização de obras
O Sindiagua cobrou explicações do presidente da Cagece sobre a licitação feita com o objetivo de entregar à uma empresa terceirizada os serviços de supervisão e fiscalização de obras de saneamento. O presidente da Cagece afirmou que a licitação visa firmar um contrato por demanda, cobrindo somente projetos de expansão da empresa. Segundo ele a licitação foi concluída, mas a empresa só será contratada caso haja recursos garantidos paras executar obras. Todo o recurso sairá do Governo do Estado. O Sindiagua reforçou sua posição em favor da valorização dos funcionários de carreira e a convocação do cadastro de reserva, demandas que devem ser tratadas com prioridade. O Sindicato tomará medidas para impedir que aconteçam contradições administrativas.

Presidente da Cagece se posiciona contra privatização
Durante reunião com o presidente da Cagece, a direção do Sindiagua apresentou matéria veiculada no jornal Diário do Nordeste no dia 15/09/2015 que tratou da avaliação dos ativos da empresa, validados pela ARCE. A reportagem (divulgada no último jornal do Sindiagua) afirmava que a Cagece estaria pronta para ser transferida para a iniciativa privada. O Sindicato questionou se há, de fato, alguma intenção da empresa de vender seus ativos para a iniciativa privada. O presidente da Companhia disse que a hipótese não passava de especulação e que havia entrado em contato com o repórter que assinou a matéria. Este, por sua vez, afirmou que frente ao cenário de concessões ocorridos nos últimos anos acreditava que a revisão dos ativos da Cagece teria esse propósito. O presidente da empresa foi além e se disse contrário à privatização da Cagece. O Sindiagua continuará atento e lembra mais uma vez que privatizações feitas em outros países estão sendo revistas porque provocaram aumentos exorbitantes de tarifas, demissões em massa e queda drástica na qualidade do serviço prestado. “A água é um bem sagrado e não pode estar nas mãos de empresas privada que colocam o lucro em primeiro lugar, em detrimento do interesse coletivo”, alerta Jadson Sarto, presidente do Sindiagua.

Plano odontológico poderá ser ofertado pelo Sindiagua

Durante reunião com o Sindiagua. o presidente da Cagece, ao ser indagado, afirmou que não vê problemas em o Sindicato assumir a oferta do plano odontológico nos mesmos moldes praticados anteriormente pela AKN, via adesão do trabalhador e mediante desconto em folha. Diante da resposta, o Sindiagua vai protocolar ofício para que processo seja aberto. O Sindicato alertou ao presidente da Companhia que trabalhadores estão reclamando da qualidade de atendimento do plano atual. A direção da empresa pediu para que as queixas sejam formalizadas.

Confira outros pontos discutidos com Presidente da Cagece
Adicional de Penosidade – O estudo para implantação do benefício já está concluído e até dezembro será apresentado à diretoria da Cagece.

Adicional de Periculosidade para Motoqueiros –  Sindiagua cobrou mais uma vez agilidade, tendo em vista que se trata de uma demanda do início do ano, e lembrou que um colaborador da UN MTS já entrou com processo solicitando o benefício. A empresa informou que precisa fechar a regra antes de conceder o adicional para ter controle sobre o pagamento. Sindiagua propôs, com o objetivo de dar agilidade, que seja feito de imediato um levantamento dos funcionários que utilizam moto todos os dias a fim de que estes recebam logo o pagamento. A Gepes fará o levantamento e apresentará na próxima semana. A regra para os demais casos (de funcionários que utilizam motos eventualmente) será definida e apresentada em reunião agendada para o dia 04/12. Sindiagua lembrou que os benefícios devem ser pagos retroativos à vigência da Lei.

Concurso público – o presidente da Cagece afirmou que está em andamento o estudo sobre a possibilidade de remanejar vagas de fundamental e médio para nível técnico e superior. Um processo está sendo elaborado para enviar à PGE, faltando apenas o parecer jurídico.  Novas convocações não devem ser feitas este ano. Sindiagua lembrou da importância do concurso e questionou o aumento de gastos com comissionados.

Cargos comissionados e corte de gastos- Sindiagua questionou o aumento de cargos comissionados sem vínculo funcional com a Cagece feito nos últimos anos, tendo em vista a necessidade definida pelo Governo do Estado, pelo Governo Federal e pela própria Cagece de fazer contenção de despesas. O presidente da Cagece citou que de 2014 para 2015 houve uma redução de 15 para 11 assessores. O presidente do Sindiagua, Jadson Sarto, rebateu afirmando que mesmo que o número de assessores tenha sido reduzido, houve incremento no número de comissionados, pois foram criadas mais coordenações, gerências e superintendências. Jadson lembrou que se é para fazer cortes, a direção da Cagece tem de cortar da própria carne e não somente reduzir gastos que prejudicam pagamentos e reivindicações dos trabalhadores (quilometragens, horas-extras, etc), o atendimento à população e a convocação do cadastro de reserva. Foi sugerido a redução de cargos comissionados de pessoas externas e gastos com locação de veículos para diretores.

Convênios – O presidente do Sindiagua alertou que se a Cagece pretende aumentar o número de convênios com outros municípios adotando os mesmos moldes do convênio firmado com o município de Russas a negociação será difícil e haverá resistência. “O convênio firmando com a prefeitura de Russas trouxe prejuízos ao trabalhador”, lembrou Jadson.

Reajuste da tarifa – O reajuste chegará à população nas contas de dezembro e o índice deverá atingir dois dígitos.

Uma nova reunião com o presidente da Cagece foi agendada para o dia 04/12. Além do presidente da entidade, Jadson Sarto, participaram representando o Sindiagua os diretores Marcos Vinícius, Linaide Crispim, Carlos Sá e a economista contratada do DIEESE Elizama Paiva.