Cagecianos(as) contrários(as) à privatização disfarçada de PPP

9

Além da proposta feita pela Cagece nas negociações da campanha salarial, outro ponto bastante criticado pela categoria em todas as visitas da direção do Sindiagua aos locais de trabalho foi o projeto de privatização/PPP que o Governo do Estado e o BNDES estão preparando para as regiões metropolitana de Fortaleza e do Cariri. Há uma ampla rejeição dos cagecianos(as) e a certeza geral de que uma PPP trará os mesmos males de uma privatização da Companhia. Esse ponto foi, inclusive, um dos momentos de tensão da segunda rodada de negociação. A Cagece defendeu que a cláusula reivindicada pela categoria contra a privatização/PPP não poderia constar no Acordo Coletivo, argumento que foi prontamente rebatido pela entidade, já que se trata de uma medida que afeta diretamente os trabalhadores. “As privatizações repercutem negativamente nas condições de trabalho e causam demissões, além dos prejuízos à sociedade”, alertou Jadson.
Nas negociações e durante as visitas, a direção do Sindiagua chamou a atenção para o fato de que alguns governos estaduais estão tirando suas companhias de saneamento do programa de privatização do Governo Federal, entre eles o Rio Grande do Norte. A empresa que venceu a licitação do BNDES para estudar o modelo de privatização lá é a mesma do Ceará. “O Governo do Ceará, se de fato é contrário à privatização, deveria recuar também e mandar o Secretário de Planejamento, Maia Júnior, parar de defender publicamente a privatização da Cagece”, destaca o presidente do Sindiagua.

Delações da JBS revelam que privatização do saneamento era negociada com propina
As recentes delações da JBS revelaram a existência de um modus operandi nas privatizações do País, através da qual a concessão ou PPP do saneamento era negociada com pagamentos de propina e indicação de um nome para ocupar uma secretaria estadual estratégica. ‘‘Com um secretário estadual privatista, fica mais fácil acelerar e monitorar o processo de privatização. Importante ressaltar ainda que a JBS tinha interesse em estatais que fossem sucateadas, para comprar mais barato. Nos parece que todo o processo de privatização é viciado e isso gera uma insegurança. Esses fatos já deveriam ser suficiente para o Governo voltar atrás em qualquer tentativa de privatização/PPP da água”, reforça o presidente do Sindiagua.
O vídeo em que o governador Robinson Faria (PSD-RN) e seu filho, o deputado federal Fábio Faria (PSD-RN) foram citados nas delações da JBS acusado de receber R$ 10 milhões em propina em troca da privatização da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte está disponível no link: https://tinyurl.com/y7sys34o